PORTAL BANDA KU - BRASIL E AMÉRICA DO SUL

Google
(c) 2003-2009 G. Paiva Ass. e Cons. Ltda
Edição e Manutenção: Geraldo Paiva
Última atualização: 16.09.2009
Onde você encontra a orientação técnica que procura



POSICIONADORES DE ANTENAS DE RECEPÇÃO DE TV SATÉLITE

As antenas para recepção de sinais de satélites, na maioria fixas, podem ser também montadas em cabeçotes que, acionados por elemento acionador, fazem com que elas percorram a órbita geo-estacionária, possibilitando o seu alinhamento com diversos satélites de escolha do usuário. Esse alinhamento fica limitado aos satélites dentro do campo de visibilidade do local da antena e também limitado à faixa e alcance do próprio cabeçote. Esse tipo de cabeçote é utilizado em antenas de Banda C (ou mesmo de Banda Ku) de diâmetros maiores que 1,20 metros, até 5 metros de diâmetro (Fig. 01).

Os cabeçotes para movimentação de antenas de pequeno diâmetro são do tipo polar (polar mount) e eles giram sobre um eixo ajustado em um ângulo que fique paralelo ao eixo polar da Terra, denominado eixo polar. Além de ajuste de ângulo polar, os cabeçotes devem ter um ajuste adicional de declinação (ou off-set), para que o alinhamento faça com que a antena visualize, com a maior precisão possível, a vizinhança de todos os satélites estacionados na órbita geo-estacionária, no intervalo visualizado. Nesse tipo de cabeçote, o ajuste principal da antena é baseado no ângulo polar (ou ângulo de latitude do local da antena).

As antenas profissionais, de grande diâmetro, têm geralmente dispositivos de alinhamento baseados nos ângulos de azimute e elevação. São, portanto, dois movimentos requeridos no alinhamento e dois motores para esses movimentos. Fica aqui apenas a referência a essa técnica. Não vamos descer a detalhes, para esse tipo de dispositivo. O interessado nesse tipo de sistema poderá pesquisar na internet que é plena de informações a respeito. Esse sistema de alinhamento é utilizado nas antenas de diâmetros acima de 5 metros, nas de 10 metros, 20 metros e maiores. Geralmente, as estações terrenas de recepção de sinais de satélies e de monitoração de posicionamento de satélites utilizam sistemas de dois parâmetros: azimute e elevação.





Fig. 01 - Antena montada no cabeçote polar
Mais recentemente, foi desenhado um novo sistema, geralmente utilizado em antenas de pequeno diâmetro, até 1,20 metros, para Banda Ku e denominado motor HH (horizonte-a-horizonte). Desenhou-o a italiana Stab e é utilizado mundialmente como padrão para esse tipo de movimentação de antena de pequeno diâmetro.

Esse tipo de motor tem a sua alimentação em tensão contínua efetuada através do próprio cabo coaxial, eliminando-se a necessidade de qualquer outro cabeamento. Por outro lado, o uso desse sistema para recepção de canais da Banda Ku proporciona uma comodidade ao usuário, quando se opta pelo protocolo USALS (Universal Satellite Automatic Location System) que automaticamente calcula o direcionamento da antena, colocando-a na direção correta do satélite selecionado, bastando que se informe ao receptor a latitude e longitude do loca de sua instalação. Tudo isso, já em tempo de operação, depois de já instalado o conjunto e aplicados todos os ângulos como de latitude, de prato e direcionamento sul-norte verdadeiro.

Para entender-se a instalação e ajustamento do conjunto com a antena no pedestal, sugere-se consultar, neste site, página tutorial disponibilizada aos usuários.
Na Fig. 01 acima, exemplifica-se uma antena (no caso um tipo Cassegrain e não ponto focal), montada em um cabeçote polar esquematizado para um melhor entendimento do mecanismo. A antena é movida a leste ou a oeste pela ação de um atuador linear (braço atuador linear) comandado pelo receptor, em conjunto com um rastreador (tracker ou V-Box) que memoriza as posições dos satélites.

Para cada local de instalação de uma antena móvel existem ângulos que devam ser ajustados: o ângulo polar que outro não é senão o da própria latitude do local de instalação de antena e o ângulo de declinação. O eixo polar, coincidente com a direção sul-norte verdadeiro, permite que a antena mova-se a leste e a oeste. Então, torna-se necessário que, no projeto do cabeçote polar, se considere um ajustador do ângulo polar e um ajuste do ângulo de declinação. Todo o conjunto é encaixado no pedestal que vai a piso e gira para possibilitar que se alinhe o eixo polar com norte verdadeiro. Para entender-se todo o ajuste necessário nessa instalação, deve-se recorrer a outra página disponibilizada neste site.

Para compreender como configurar uma instalação de antena móvel e interligar os seus componentes, clique aqui.
Fig. 02 - Antena montada no motor HH (Stab)