PORTAL BANDA KU - BRASIL E AMÉRICA DO SUL

Google
(c) 2003-2009 G. Paiva Ass. e Cons. Ltda
Edição e Manutenção: Geraldo Paiva
Última atualização: 14.10.009
Onde você encontra a orientação técnica que procura




ATSC - É o padrão desenvolvido em associação pelos membros do American Television Systems Comitee, sendo oficial para os Estados Unidos da América. Uma Norma ATSC é um documento que estabelece especificações básicas ou critérios que são necessários para efetivar a implementação e a interoperabilidade dos Sistemas de Televisão Avançados. Acessando-se o site da ATSC, mais especificamente em http://www.atsc.org/standards.html, esses padrões podem ser consultados.


DVB
- Trata-se do padrão europeu desenvolvido por um consórcio de normalização de toda Europa, liderado por mais de 270 operadores de transmissão de TV, fabricantes, operadores de redes, desenvolvedores de programas de computador, um corpo regulatório e muitos outros em cerca de 35 países, reunidos em comitês para projetarem um padrão técnico para a entrega global de televisão digital e serviços de dados.

O sistema transmite um fluxo (stream) de audio/video comprimido, usando modulação OFDM, com codificação de canal concatenada, isto é, COFDM. Os métodos de codificação de fonte adotado são o MPEG-2 e, mais recentemente, o H.264, também conhecido como MPEG-10, Parte 4, ou AVC (Advanced Video Coding). Foi escrito pela Video Coding Expert Group (Grupo de Peritos em Codificação de Video).

O padrão DVB-T refere-se à difusão da TV digital terrestre, enquanto o padrão DVB-S aplica-se às transmissões digitais via satélites, FTA´s ou codificadas. Basicamente, o padrão DVB é utilizado pelos países que usam canalização de 7 (Austrália) ou 8 (Europa) MHz. O sistema brasileiro de televisão utiliza canalização de 6 MHz.

Para maiores informações, consulte-se o site da organização em http://www.dvb.org , onde todos os aspectos técnicos desse padrão poderão ser conhecidos.


ISDB - É um acrônimo para Integrated Services Digital Broadcasting ou Serviços Integrado de Difusão Digital, e refere-se ao padrão de difusão terrestre de TV digital desenvolvido no Japão (ISDB-T), considerado aquele que melhor responde à necessdade de mobilidade e portabilidade. Representa um evolução do sistema europeu DVB-T, utilizado na maioria dos paises do mundo. O laboratório de pesquisa da Rede NHK o tem desenvolvido desde a década de 70. Além de difundir sinais de TV digital, ele pode ser usado para transmissão de dados, recepção parcial em um computador de mão (PALM) e em  telefones celulares.


DMB - Acrônimo de Digital Media Broadcasting, o padrão de difusão de televisão digital chinês é também referido como GB 20600-2006. Trata-se da combinação de duas tecnologias em desenvolvimento pela Universidade de Tsinghua e Universidade Shangai Jiaotong. É possível que a China já opere com seu sistema digital de difusão de televisão durante os Jogos Olímpicos de 2008.  Sem alarde, o último Boletim das Normas nacionais número 8, emitido pela Administração de Normalização da China, inclui uma padrão para difusão terrestre de TV digital (DMB-T). Listado como número 28, o padrão número GB20600-2006 é intitulado ‘Estrutura de Framing, Modulação e Codificação de Canal para sistema de difusão de televisão digital terreste.


SBTVD - Estamos, nesse caso, diante do Sistema Brasileiro de Televisão Digital, um híbrido das tecnologias que haviam sido desenvolvidas no Brasil e o ISDB japonês.  O Brasil, durante algum tempo, buscou desenvolver seu próprio padrão, mas teve de acelerar esse processo, através da adoção de uma base de desenvolvimento mais avançada, de sistema já em utilização, que representasse adotar o melhor da tecnologia que incorporasse padrões defendidos pela comunidade técnica, cientìfica e operadora brasileira. O Brasil estudou os demais sistemas já desenvolvidos, em desenvolvimento e/ou em utilização como o ATSC, o DVB-T, o ISDB-T e mesmo o chinês DMB. Depois de muitos debates, avaliações estratégicas, o Brasil optou por adotar como base o padrão japonês ISDB, incorporando algumas características que serão próprias do sistema brasileiro.  As principais linhas mestras de base social, estratégica e técnica, para formatação e adoção do Sistema Brasileiro de Televisão Digital veio com o Decreto 4.901 de 26 de novembro de 2003.

PADRÕES DIGITAIS  DE TELEVISÃO USADOS NO MUNDO






PAíSES QUE JÁ OPTARAM PELO SISTEMA BRASILEIRO DE TV DIGITAL

O Brasil tem desenvolvido um trabalho comercial e diplomático juntos a outros países latino-americanos, no sentido de expandir o uso de seu sistema híbrido através da sua adoção pelos mesmos. Essa adoção fortalecerá o sistema, não ficando o Brasil isolado no seu uso, como também beneficiará a sua indústria produtora de todos os equipamentos utilizados na transmissão e recepção.

Além do Brasil, Argentina, Peru, Chile e Venezuela estão optando por adotar esse padrão o que, naturalmente, levará outros países a fazê-lo.